Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Por quem me julgam e por quem se julgam?" Refere Jean-Claude Juncker (julho de 2014). "You don't have to be a techie to believe in technology", mas queres ter um pedreiro e uma empregada doméstica tuga ao desbarato para te tratar do trabalho sujo e árduo que não fazes, não queres fazer, nem nunca soubeste fazer. Ou até um enfermeiro tuga para te limpar o rabo. 
juncker a falar ao telemóvel com a mulher
Somos portugueses Sr. Juncker! Oficialmente ainda uma República Democrática e um Estado-Membro da União Europeia desde 12 de junho de 1985 (CEE). Somos ainda um país soberano unitário localizado no Sudoeste da Europa com 10, 5 milhões de habitantes e já cerca de 3 milhões a viver abaixo do limiar de pobreza, que em Portugal se considera quando se tem rendimentos abaixo dos 409€, situação com que nunca se deparou na sua vida e que não conhece certamente no Luxemburgo nem na Bélgica e muito menos na Alemanha.
Acabamos de assistir a um dos piores exemplos característicos da já instalada hegemonia neoliberal capitalista e agora autocrática.  Qual Europa dos cidadãos, qual que! Estamos hoje numa Europa dominada pela prepotência neoliberal capitalista e dirigida por algo parecido com o absolutismo burguês. Todos os portugueses deveriam sentir-se indignados face ao desrespeito a que assistimos, não só perante todos os representantes nas organizações democráticas europeias, mas sobretudo perante Portugal e perante todos os portugueses.
Veja aqui o vídeo: http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2014-07-10-eurodeputado-joao-ferreira-pede-a-juncker-que-desligue-telemovel;jsessionid=C3745D3CDB7466C07136A0E601529402
Jean-Claude Juncker afirmou esta semana que não precisa que lhe expliquem a realidade de Portugal. Pois se não precisa, o que é que andou a fazer em Portugal aquando das eleições e quando precisava dos votos? Se não precisa, então que estão os eurodeputados a fazer no Parlamento Europeu?

 

Juncker, insurgindo-se contra muitas das críticas que lhe foram dirigidas, e refutando designadamente o "rótulo" de neo-liberal e capitalista, mostrou-se irritado em alguns períodos do debate, incluindo durante a intervenção do eurodeputado português João Ferreira, quando este fez uma pausa para que o candidato do Partido Popular Europeu (PPE - PSD/CDS) e à sucessão de Durão Barroso "desligasse" o telemóvel, que manuseava enquanto os deputados intervinham.

 

 

Depois de ter sido criticado sobre o papel da trika, desempenhado em Portugal, ("que o senhor Juncker apoiou") e depois de ter sido apelado a que prestasse atenção para a realidade do nosso país, referindo-se ao estado da economia e à escalada da dívida, o eurodeputado João Ferreira teve de fazer uma pausa ao ver que o Sr. Juncker se encontrava  sem os auscultadores e a manusear o seu telemóvel enquanto os deputados intervinham, parecendo as crianças do secundario quando estamos a falar para elas e elas nem nos ouvem por tão entretidas que estão com os jogos do telemóvel ou com as mensagens dos namorados.

 

 

"Vou fazer uma pausa para que possa desligar o telemóvel", disse o deputado, retorquindo Juncker que respondia a uma mensagem da sua mulher.

 

 

Retorquiu Juncker: "Por quem me julgam e por quem se julgam?  Eu sei fazer duas coisas em simultâneo: escutá-lo e escrever ‘tudo está bem’", disse o político luxemburguês.

 

"Cresci na parte industrial do Luxemburgo e os meus vizinhos são portugueses. Sei muitas coisas de Portugal, por isso pode ser mais breve, porque eu conheço" a realidade do país, disse Juncker, visivelmente agastado.

 

 

"Interessei-me de muito perto e numa base diária pela situação na Grécia e em Portugal. Tenho muitos amigos nesses países, e, durante o período em que fui presidente do Eurogrupo, telefonei várias vezes por dia a testemunhas de rua para sentir a 'temperatura' desses países, e sei bem as derrapagens que houve, os erros de percurso acumulados (...) Não fui eu que obriguei na Grécia e em Portugal a baixar o salário mínimo nacional, bem pelo contrário. No Eurogrupo lutei contra essa redução, e fiquei muito surpreso por ver que outros países ditos pobres e que o são foram aqueles que exigiram que tal política fosse aplicada", disse.

 

 

Juncker reforçou que, "portanto, o debate na Europa foi um pouco mais complicado do que se insinua em acusações sem fundamento e sem qualquer reflexão, que traduzem mesmo alguma ignorância do assunto", pelo que, pediu "respeito".

 

 

"Por quem me julgam e por quem se julgam? Acham que sou um filho de um milionário, que nunca trabalhou, que nasci num berço de ouro? Não é o caso", disse Juncker, manifestando-se agastado por ser classificado como um "capitalista mau".

 

 

Questionado, tanto por João Ferreira como pela eurodeputada Marisa Matias, sobre a possibilidade de renegociação da dívida pública portuguesa, Juncker não abordou a questão, tendo-se queixado por mais de uma vez do pouco tempo disponível para responder às muitas perguntas que cada eurodeputado lhe dirigia.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens



Junte-se a nós no Facebook

Please wait..15 Seconds Cancel

Calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031